Alice e Luiz - Revendedores ANEW
Pesquisa Avançada
Carrinho de compras
Itens 0
Total(R$) 0,00

 Home Categorias Contato Estilo de Vida Kushi Macro Bios Prebióticos Entrar Carrinho Pagar 

Categorias
Categorias 
Lista de Produtos 
Alimentação
Beleza Integral
Emma AZ-X
Kushi Macro Bios
Suplementos Nutricionais

Publicidade

Novidades
1. Sophia Collagène - 90 unidades de 8g cada
2. LINHAÇANEW 120 CAPS
3. CAMELLIA Sinensis Original 30 Sachês
4. ÓLEO DE CÔCO 60 CAPS
5. Floranew Detolia Premium - ACOMPANHA ÁGUA -
6. Suncogumelo 540 cápsulas
7. Suncogumelo 150 cápsulas
8. Sophia Collagène - 30 unidades de 8g cada
9. Floranew Detolia Premium
10. MARACANEW 250g

Mais Vendidos
1. FLORANEW - 90 saches
2. DIA CHLORELLA 300 G 1500 comp
3. SQUALENE 99 120 CAPS
4. DIA CHLORELLA 80 G 400 comp
5. DIA CHLORELLA 80 G 320 comp
6. DIA CHLORELLA 300 G 1200 comp
7. GELÉIA REAL ANB-48 100 G
8. GELEVIAMIN 150 CAPS
9. SQUALENE 99 480 CAPS
10. DHA 140 CAPS

Seu Endereço IP
Por segurança seu IP é registrado:  3.81.28.94


Publicidade:


Saúde: Artigos - Tem algo na comida - Anew

Saúde: Artigos - Tem algo na comida

Você Saudável
Artigos
Tem algo na comida -
Dor de cabeça, enjôo e até rinite podem ser reações motivadas por alergia alimentar ou pela falta de enzimas que facilitam a digestão

Raro é o cidadão que nunca desconfiou que a raiz de um mal súbito estivesse em algo que comeu. O que poucos sabem é que problemas recorrentes e aparentemente sem causa, como dor de cabeça, podem estar associados ao alimento ou à bebida. "Há muita confusão nessa área. Mesmo os médicos se atrapalham", observa o gastroenterologista lrineu Pantoja, de São Paulo.

É bom consultar um especialista, portanto, se a desconfiança está se tornando corriqueira. "Se alguém sente que um alimento deflagra uma crise de asma, deve procurar ajuda médica", ensina Fábio Castro, supervisor do Serviço de Imunologia e Alergia do Hospital das Clínicas de São Paulo. Chegar à conclusão de que a culpa está na comida requer avaliação clínica do paciente, análise do histórico familiar e a realização de um teste para medir a reação do organismo a um produto. A novidade é que em setembro será disponibilizado no Pais um teste que avaliará as respostas do corpo a 51 grupos alimentares com apenas uma amostra de sangue. Entre esses grupos estão os que contêm soja, uva, café, cebola e conservantes. O preço do procedimento deve ficar em tomo de R$ 700. "O teste foi criado por um laboratório de Roma, que oferece as análises na Europa há seis anos. O paciente daqui colherá uma amostra, que será enviada à Itália. Dentro de cinco dias, virá a análise", afirma o médico Pantoja.

Definir qual alimento provoca a reação negativa é importante. Assim como determinar se a resposta resulta de uma intolerância ou alergia, males que diferem nos sintomas e na terapia. Na alergia, há uma resposta do sistema imunológico à presença de um composto - uma proteína do leite, por exemplo, levando a sintomas como o surgimento de placas avermelhadas na pele ou de asfixia. Dependendo da intensidade dos sinais, a pessoa deve ser encaminhada ao hospital e receber um antialérgico. Se o organismo responde tardiamente ao alimento, no entanto, o problema pode ficar camuflado e podese imaginar que o sintoma é conseqüência de outro mal. Por isso, se uma pessoa tentou se tratar de rinite (uma possível resposta alérgica) e não encontrou a solução, convém fazer um teste.

Já na intolerância, os sintomas estão mais concentrados no sistema digestivo.

A falta de algumas enzimas impede a absorção de substâncias que seriam metabolizadas se o organismo estivesse funcionando perfeitamente. "O paciente não digere certos elementos", diz a química Rebeca de Angelis, especializada em fisiologia da nutrição e autora do livro Alergias alimentares (Ed. Atheneu), lançado recentemente. Os elementos não digeridos agridem o trato gastrintestinal, provocando diarréia, cólica e emagrecimento, entre outras complicações.

Os casos mais conhecidos de intolerância são os relativos à lactose (presente no leite) e ao glúten (encontrado no trigo, por exemplo). Para controlar o mal, é preciso mexer na dieta. Em geral, tira-se o ingrediente que faz mal. Mas em algumas situações a pessoa pode "aprender" a tolerar o alimento."Se ela consumir um pouquinho todo dia e aumentar a porção com o tempo, dá para se acostumar", assegura Rebeca. A consultora pedagógica Miriam Grilo, de São Paulo, retirou a lactose, o glúten e o açúcar do cardápio durante dois meses. "Melhorei dos problemas digestivos", conta .

Cardápio indigesto
Conheça algumas substâncias presentes ou utilizadas nos alimentos que estão mais relacionadas a efeitos adversos:

 

Substâncias

Alimentos

Efeitos

Glúten

Trigo, cevada, centeio e aveia

Diarréia, desidratação severa, vômito, dermatites, anemia, câimbras, fraqueza.

Lactose

Leite e seus derivados

Desconforto abdominal e diarréia

Feniletilamina

Chocolate, queijo envelhecido, vinho tinto

Enxaqueca

Tiramina

Queijo tipo cheddar, levedo de cerveja, peixe em conserva, vinho tinto

Enxaqueca, vermelhidão, urticária

Histamina

Queijos e alimentos fermentados (como chucrute), salsichas, atum (em conserva), anchovas e sardinhas

Vermelhidão, dor de cabeça, queda de pressão arterial

Agentes liberadores de Histamina

Moluscos, chocolate, morango, tomate, amendoim, carne suína, abacaxi

Urticária, eczema(lesões avermelhadas), coceira

Glutamato monossódico

Pratos da culinária oriental

Asma, vertigem

Metabissulfito

Cerveja, vinho, licores, frutas e vegetais secos, vinagre, camarão

Asma

Nitrato de sódio, corantes, salicilatos

Produtos suínos cozidos, queijo

Urticária, distúrbios gastrintestinais, dor de cabeça

Fonte: Alergias Alimentares, de Rebeca de Angelis
 
Fonte: Revista Isto é – Agosto/2005

Anew - atitude funcional estilo natural

FLORANEW

Lembre-se de que as informações disponibilizadas, não têm o intuito de substituir a consulta
com o seu médico, muito menos devem ser utilizadas como fonte única de informações médicas.

Voltar


 
AHW - Access Home World